Novamente em artigo de Opinião da jornalista Laurinda Alves

“A vida pára para as vítimas de Traumatismo Crânio Encefálico, e a tragédia maior é que também pára as vidas de famílias e cuidadores, pois até a forma de amar e se relacionarem muda irremediavelmente.”

Leia o resto aqui